Para a família, Programação Infantil em Brasília

O que fazer em Brasília com menos de R$20

O que fazer em Brasília com menos de R$20

 

[Este post foi publicado originalmente em janeiro de 2019, e os preços mencionados se referem a esta época].

Esta lista pode e deve aumentar! O que vocês sugerem que a gente coloque aqui? Deixem sua dica nos comentários abaixo!

1. Tomar um banho de piscina na Água Mineral (apelido do Parque Nacional de Brasília, uma área de conservação ambiental).

Júlia na Água Mineral em novembro/2016

A Água Mineral funciona todos os dias, das 8h às 16h, e conta com duas piscinas de água natural, corrente, limpa e GELADA!! Às segundas e terças-feiras, a piscina Areal fecha para limpeza; já a piscina Pedreira não funciona às quintas. Desde 1º de novembro de 2018, a entrada para visitantes brasileiros custa R$14; a entrada de crianças com menos de 12 anos e idosos permanece gratuita. Então, se o programinha incluir um adulto + 1 criança menor de 12 anos, ele sairá a menos de R$20. Pagamento do ingresso somente em espécie.

2. Passar uma manhã brincando no foguetinho do Parque Ana Lídia, no Parque da Cidade.

Com mais de 420 hectares, o Parque da Cidade de Brasília é um dos maiores parques urbanos do mundo e o maior da América Latina. É um espaço super arborizado, com lago artificial (perto do Estacionamento 10, onde as crianças amam alimentar os patos), churrasqueiras, parques infantis (o Parque Ana Lídia e seu foguetinho ficam lá, perto do Estacionamento 12. Entrada gratuita), parque de diversões (Nicolândia, mas neste a entrada custa mais de R$20), pista de kart (também particular, mais de R$20), centro de exposição, quiosques, ciclovia, pista de cooper, quadras poliesportivas e muitos espaços para a prática de esportes.

3. Falando em parquinho, aproveitar os parquinhos das quadras!

203 norte

Conheça vários parquinhos legais pela nossa lista de parquinhos, que está sempre em constante atualização, conforme vamos descobrindo mais e mais locais legais!

4. Visitar o Memorial JK, no Eixo Monumental.

Júlia no Memorial JK em junho de 2016.

Nós consideramos esta visita obrigatória a todo mundo que nasceu em Brasília e todo mundo que vem visitar a Capital Federal. Conhecer o Memorial JK é respirar a criação de nossa cidade! Ele abriga a memória do presidente que criou Brasília (os restos mortais de JK estão lá no Memorial), bem como a história da construção da Capital Federal, com muitos vídeos, fotos, maquetes, peças reais de roupas de JK e sua esposa, Dona Sarah.

JK morreu em um acidente de carro na via Dutra, no Rio de Janeiro, em 1976, e o carro em que ele estava costumava ser exibido todo retorcido, exatamente como ficou depois do acidente, dentro museu. Há 6 anos, ele foi restaurado pelo Exército e agora fica exposto do lado de fora do Memorial, guarnecido por uma redoma de vidro e concreto. O Memorial fica aberto de segunda a domingo, das 9h às 18h. Para a visitação, é cobrada uma taxa de R$10, que serve para a manutenção do local, já que o museu é uma organização sem fins lucrativos. Estudantes pagam meia.

5. Visitar a 108 sul e a quadra modelo (308 sul).

Bruna na 308 sul em janeiro de 2019.

Bruna nas árvores da 108 sul em janeiro de 2019.

Por aqui, damos esta dica maravilhosa desde 2013! A dica é passar primeiro na Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima, a primeira igreja de Brasília. Na 108 sul, passar pela árvore portal (duas ficus italianas de 50 anos que formam uma “porta” que leva até a banca de revistas mais antiga da cidade), e depois ir andando até o bloco F da 308 sul, alimentar as carpas do laguinho que tem lá na frente (peça ao porteiro do prédio, ele tem a ração de peixes para dar. Ou então, passe na Casa Renato, na comercial da 308 sul, e compre um potinho de ração específica para carpas).

6. Passear na Praça dos Cristais, no Setor Militar Urbano.

Bruna na Praça dos Cristais em janeiro de 2019.

Programinha gratuito e divertido ao ar livre, perfeito para o fim de tarde, quando também podemos apreciar o pôr do sol! O jardim geométrico (em forma de um triângulo) foi projetado por Roberto Burle Max, é tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN) e tem 102 mil metros quadrados.
As esculturas de concreto em forma de cristais representam as riquezas da região e as crianças amam caminhar sob as trilhas que ligam as ilhas do laguinho, onde tem carpas que, por sua vez, atraem muitos pássaros.
A Praça, inaugurada em 1970 e revitalizada em 2009, é monitorada pelo Exército e integra o conjunto arquitetônico do Quartel General do Exército no Setor Militar Urbano.
Lá tem muitas árvores e vegetação nativa, com sombras e bancos sendo, portanto, um local agradável para caminhadas, passeios de bicicleta/patinete, piquenique e ensaios fotográficos (é comum ver gestantes no local!).
.
DICA:
Ao lado do Obelisco do Quartel General do Exército tem uma concha acústica conhecida como “Olhos da Coruja”. É divertido tirar fotos lá dentro e brincar: tudo que é dito alto no interior do arco vira eco!

7. Pegar o metrô e descer em algumas estações, pra conhecer lugares onde você nunca esteve.

Mari e Júlia no metrô DF. Neste dia, tomamos o trem na 102 Sul e paramos no ParkShopping.

O Metrô de Brasília opera em 6 regiões administrativas do Distrito Federal, e roda de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h30. Algumas linhas rodoviárias já estão integradas ao Metrô-DF. São linhas operadas por microônibus e pela empresa TCB. Algumas estações recebem exposições de fotos.
Desde março de 2018, as passagens das linhas classificadas como “Urbanas” custam R$ 2,50; as das linhas classificadas como “Metropolitanas 1” custam R$ 3,50 e as das linhas classificadas como “Metropolitanas 2” custam R$ 5.

8. Alugar uma bike pública no Deck Sul (que fica na L4 Sul, próximo à Ponte das Garças).

Lá tem uma estação de bicicletas compartilhadas que oferece modelos também para crianças! São dez bikes infantis e outras dez para adultos. Nas bikes de criança você pode usar com ou sem rodinhas. Para usar as bicicletas, é necessário baixar o aplicativo +Bike. É possível escolher entre o plano anual, de R$10; o mensal, de R$6; ou diário, de R$3.

9. Dar uma volta na Feira da Torre e assistir no fim do dia ao espetáculo da dança das águas da Fonte Luminosa.

De terça a sexta-feira: 12h e 18h (30 minutos de duração, totalizando 60 minutos/dia) | Sábado, domingo e feriados: 10h, 12h, 17h, 18h e 19h (30 minutos de duração, totalizando 150 minutos/dia). [Informações da Secretaria de Turismo do DF]
A Torre de TV de Brasília atualmente está fechada por manutenção e revitalização de sua base. O mirante e o mezanino não passam por reformas, mas também estão fechados devido ao acesso interditado aos locais.

10. Andar de patins ou skate no concretão do Museu Nacional.

Júlia patinando na frente do Museu Nacional em janeiro de 2019.

O espaço na frente do Museu Nacional é sem obstáculos e favorece a prática de esportes como patinação, skate, ciclismo. E a vista é LINDA!!

11. Conhecer o Borboletário do Zoo de Brasília.

Bruna no borboletário do Zoo de Brasília em janeiro de 2019.

Inaugurado em 2005, é o espaço mais encantador do Zoológico de Brasília, na nossa opinião. A estrutura tem um formato ovalado com 26 metros de comprimento, ornado com uma estrutura de tela metálica, com um sombrite que ajuda na manutenção da temperatura, luminosidade e umidade, além de impedir a fuga dos animais e protegê-los de predadores. Toda parte paisagística do interior do Borboletário foi idealizada com intuito de reproduzir as características naturais que as espécies encontram em seus ambientes específicos, e que garantem o seu ciclo de desenvolvimento. São reproduzidos 3 tipos de microclimas: um de mata fechada, outro de área brejosa e um terceiro de área seca. Atualmente, o Borboletário do Zoológico mantém em exposição um total de 14 espécies!
Funciona de quarta-feira a domingo, das 9h às 12h45 e 14h às 16h.
Cada visita é acompanhada por um monitor, que atende até 15 pessoas por vez, para tirar dúvidas e falar sobre curiosidades dos insetos.
Entrada do Zoológico: R$10 a inteira e R$5 a meia. Menores de 5 anos e pessoas com deficiência (com acompanhante) não pagam. Crianças de 6 a 12 anos, estudantes, professores e idosos acima de 60 anos pagam meia.

12. Passar uma manhã de domingo no Eixão. Com R$20 as crianças tomam picolé, açaí ou água comprados lá (ou você pode levar comida de casa).

Júlia andando de patinete no Eixão em 2016.

As seis faixas do Eixo Rodoviário de Brasília ficam fechadas para veículos das 6h às 18h nos domingos e feriados, quando são liberadas para caminhadas, corridas, pedaladas e entretenimento da população. Nos meses do horário de verão, o Eixão fica interditado para veículos das 7h às 19h. A medida vale até o fim do horário de verão (que este ano acaba em 16 de fevereiro de 2019).

13. Passar em uma padaria, comprar pães de queijo e suco, e fazer piquenique no CCBB.

ORIENTAÇÕES PARA PIQUENIQUES NO CCBB:
•Horário de funcionamento: de 9h às 21h.
•Limite máximo de convidados: 50 pessoas.
•É proibido qualquer mesa e/ou cadeiras, tapetes e cabanas infantis.
•Podem usar toalhas de piqueniques e almofadas.
•Para a colocação do bolo pode-se colocar 01 (um) tablado/mesinha de no máximo 15cm de altura.
•É proibido qualquer vaso com flores.
•É proibido cercar o local com qualquer objeto e/ou equipamento.
•Todo o lixo produzido pelo evento deve ser recolhido para as lixeiras do CCBB acondicionado em sacos plásticos pretos.
•É proibida a instalação de Brinquedos Infláveis/Piscina de Bolinhas/Pula-Pula.
•É proibido pendurar/amarrar qualquer tipo de enfeite nos galhos das árvores e plantas.
•É proibido soltar pipas, andar de skate, patins, patinete e outros.
•São proibidos equipamentos sonoros.
•Não disponibilizamos pontos de água e luz, copa, refeitório, freezers/geladeiras.
•Não é permitido trazer recreadores, pois o CCBB possui programação própria.
•O CCBB não reserva espaço específico nos jardins para determinados grupos.

Regras descritas AQUI.

Você também pode encomendar cestas de piqueniques de café da manhã aos fins de semana no Bistrô Bom Demais. As cestas podem ser preparadas para 2 ou 4 pessoas e com opção sem glúten e sem lactose.
Entre em contato e reserve a sua: 3108-7029 (verificar preço).

14. Passar o dia no Parque Olhos D’Água (o dinheiro será gasto com água de coco e pipoca).

É um parque com bastante sombra, o que possibilita um conforto maior para as crianças brincarem à vontade. Atenção! Por lá, não pode andar de bicicleta e patins, nem passear com animais domésticos. Dica: estacione na residencial da 415 norte, perto do bloco P.

Parque Olhos D’água
Endereço: 413/414 Norte
Horário: Diariamente, das 6h às 19h30
Telefone: (61) 3349 – 5793/ 3214-564

15. Fazer piquenique na Ermida Dom Bosco.

 

A Ermida Dom Bosco é uma pequena capela em forma de uma pirâmide de base inclinada, revestida em mármore branco, com uma cruz metálica no topo. Foi projetada por Oscar Niemeyer e construída sobre uma plataforma de lajes às margens do Lago Paranoá. Sua localização não é aleatória. Está no ponto de passagem do paralelo 15º, com o qual Dom Bosco teria sonhado em 1883. No sonho, ele via que entre os paralelos 15º e 20º estaria situada a atual capital brasileira.
A vista para o Lago Paranoá é linda, e é possível nadar no lago.
Tem um letreiro Eu ♥ Brasília para tirar fotos.

Onde fica: Estrada Parque Dom Bosco, QL 30 do Lago Sul, próximo à Barragem do Paranoá
Entrada: gratuita, das 6h às 20h
Acessibilidade: o acesso à Ermida é plano e de lá a vista é muito linda. No entanto, para descer e chegar até o lago, existe escada bem íngrime. Uma opção é descer pela rua lateral, das residências. Mas tenha cuidado, é bem inclinado.
Arredores da Igreja: abaixo da Ermida, está uma pista de skate, teatro e arena, um pier.
Como parte do Parque, estão ainda o Instituto Israel Pinheiro, Convento Carmelita e o Mosteiro São Bento.

16. Conhecer o Templo da Boa Vontade.

O Templo da Boa Vontade (TBV) é um espaço ecumênico e democrático de espiritualidade, cultura, arte e história. Mas também é considerado um museu por abrigar centenas de obras de artes e uma Galeria, que abre espaço para renomados artistas nacionais e internacionais e novos talentos, além de recitais de música.

Entre os ambientes, destaque para o centro do Templo, abaixo do Cristal Sagrado (que fica no topo do templo, e é considerado pela mídia a maior pedra de cristal puro do mundo). Esse cristal, além de purificar o ambiente, favorece a cromoterapia — a cura pelas cores. Todos que adentram a Nave da Paz posicionam-se sob o Cristal Sagrado para receber as energias que são emanadas.

Outro ambiente muito procurado é o percurso em espiral caminhando em círculos. O caminho de cor escura (em sentido anti-horário) retrata o percurso difícil para atingir a Paz interior. Já o caminho de cor clara, em sentido horário, representa a trilha iluminada pelos valores morais e espirituais adquiridos pelo esforço próprio do ser humano. O Templo é aberto ao público 24h e a entrada é gratuita. Os anexos funcionam entre 8h e 20h. Algumas alas cobram taxas à parte. É proibida a entrada de pessoas trajando bermuda, short e mini-saia.

17. Participar, sempre no primeiro domingo de cada mês, da troca da bandeira na Praça dos Três Poderes.

A cerimônia de troca da bandeira nacional acontece todo primeiro domingo de cada mês, a partir de 8h30, na Praça dos Três Poderes, desde 1973. A cada mês, alternam-se as Forças Armadas que comandam a troca. Por ser aberta ao público, todos podem acompanhar a cerimônia e assistir ao desfile militar.
Curiosidades: A bandeira da Praça dos Três Poderes é a maior bandeira hasteada do mundo com 286m², em um mastro de 100m de altura. É assim para que ela fique posicionada simbolicamente acima dos prédios que representam os três poderes: Palácio do Planalto (Executivo), Congresso Nacional (Legislativo) e Supremo Tribunal Federal (Judiciário).
A cerimônia de troca da bandeira dura cerca de 30 minutos.

18. Visitar a Torre Digital.

A visitação funciona aos sábados e domingos. Vale a pena conhecer a Torre Digital por sua beleza arquitetônica. A vista que se tem de Brasília é linda!

19. Se sentir na Monarquia Britânica tomando chá inglês na confeitaria The Queen’s Place, na 116 sul

Junho de 2018

A visita a esta confeitaria na Asa Sul vale muito a pena pela decoração (acima), completamente temática inspirada na Monarquia Britânica! Você consegue manter o orçamento e gastar R$20 por pessoa pedindo uma xícara de chá (R$8) e um croissant simples (R$8) – preços de janeiro de 2019. Da vez que fomos, Júlia ficou se sentindo uma princesa, hahaha! Ela amou! Aposto que outras crianças (e seus pais) também vão curtir!

20. Visitar o Planetário.

Foto: Roteiro Baby

 

A exposição atual, “O Túnel do Tempo da Evolução da Vida”, é promovida pela UnB e ficará em exibição no Planetário de Brasília até 28/02/2019, com entrada franca, de terça a sexta-feira, das 8h às 21h / fins de semana e feriados, das 8h às 20h. Conta com a réplica de um fóssil de um dinossauro achado no Brasil em 1998 e mostrado à imprensa em 2004 – o Unayssauro; além de 32 fósseis do Laboratório de Micropaleontologia e do Museu de Geociências, ambos do Instituto de Geociências (IG) da UnB. É um convite ao público para viajar no tempo e conhecer o processo evolutivo a partir do registro histórico fornecido pelos objetos.

Há exibições de filmes na cúpula (lá dentro é bem frio! Leve um casaquinho!).

PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS – até 31/01/2019

3ª feira, 5ª feira e sábado
9h30 – Kaluoka’Hina (Duração: 40 minutos): A vastidão dos oceanos de nosso planeta guarda segredos inimagináveis. Um dos mais preciosos é Kaluoka’hina, um recife encantado onde um tipo de mágica o protege de ser descoberto por humanos. Os habitantes coloridos de Kaluoka’hina sempre viverem em paz. Até que um vulcão entra em erupção, e o feitiço é quebrado. Agora cabe ao jovem peixe-serra Jake e seu paranoico companheiro Shorty restaurar a magia de Kaluoka’hina. Classificação indicativa livre.
11h – Origens da Vida (Duração: 23 minutos): A humanidade sempre se interessou em saber se existe vida fora do planeta Terra tal como a conhecemos. Formas de vida exóticas são raras, mas quando encontradas despertam a curiosidade dos cientistas. Em “Origens da Vida” são mostrados os fatos importantes na evolução da vida na cronologia do Universo, passando pelo seu início no Big Bang, criação do Sistema Solar, formação da Terra, seguida das condições para a existência de vida no nosso planeta. Com linguagem simples e fantásticas imagens, a sessão apresenta conhecimentos sobre o nascimento, vida e morte das estrelas e dos sistemas planetários. E traz um olhar sobre a extinção dos dinossauros. O filme é uma viagem fantástica através do tempo mostrando muitas descobertas feitas no passado recente e faz uma alerta para nossa consciência planetária. Faixa etária recomendada: a partir de 14 anos.
14h30 – Da Terra ao Universo (SESSÃO COMENTADA; Duração: 30 minutos): Esta extraordinária viagem de 30 minutos através do tempo e do espaço mostra, através de uma combinação soberba de sons e imagens, o Universo que nos é revelado pela ciência. Os espectadores podem se divertir no esplendor dos planetas do Sistema Solar e no nosso Sol abrasador. Da Terra para o Universo leva a audiência para os coloridos berçários e cemitérios das estrelas, e ainda mais além da Via Láctea para a imensidão inimaginável de uma miríade de galáxias. Ao longo do caminho, o público conhecerá a história da astronomia, a invenção do telescópio e os telescópios gigantes de hoje que nos permitem investigar cada vez mais o universo. Faixa etária recomendada: 12 anos.
16h – O Segredo do Foguete de Papelão (Duração: 24 minutos): Em uma viagem lúdica pelo espaço, três coisas são essenciais: um foguete de papelão, um prestativo livro de astronomia e uma dose de imaginação. A nave é construída a partir de uma caixa de papelão, contendo uma carga de balões cheios de ar fresco e de um livro de astronomia emprestado da biblioteca. A jornada passa pelo Sol e pelos planetas rochosos e gigantes gasosos com seus belos anéis. A viagem não é livre de riscos, mas o livro de astronomia ajuda em todas as situações de perigo. Faixa etária recomendada: de 4 a 11 anos.
17h30 – Dois Pedacinhos de Vidro (SESSÃO COMENTADA; Duração: 23 minutos): O título “Dois Pedacinhos de Vidro” faz referência a duas lentes que, colocadas em um tubo, foram capazes de revelar um céu nunca antes visto pela humanidade. Ao participar de uma noite de observação das estrelas, dois adolescentes aprendem como o telescópio nos ajudou a entender o nosso lugar no espaço e como esses aparelhos continuam expandindo nossa compreensão sobre o universo. A conversa deles com uma astrônoma, os faz entender a história do telescópio e as descobertas que estas maravilhosas ferramentas têm feito. Faixa etária recomendada: a partir de 12 anos.
19h – Arqueoastronomia Maia (SESSÃO COMENTADA; Duração: 1 hora): um novo show de planetário open-source que explora seis locais arqueológicos maias diferentes e a sua ligação ao Universo. O espetáculo de 20 minutos primeiro espetáculo fulldome completamente animado produzido no México misturando ciência e mitologia e levando o espectador numa viagem poética para perceber como é que os Maias viam e compreendiam o Universo através da sua história. Classificação indicativa livre.

4ª feira, 6ª feira e domingo
9h30 – Kaluoka’Hina (Duração: 40 minutos): A vastidão dos oceanos de nosso planeta guarda segredos inimagináveis. Um dos mais preciosos é Kaluoka’hina, um recife encantado onde um tipo de mágica o protege de ser descoberto por humanos. Os habitantes coloridos de Kaluoka’hina sempre viverem em paz. Até que um vulcão entra em erupção, e o feitiço é quebrado. Agora cabe ao jovem peixe-serra Jake e seu paranoico companheiro Shorty restaurar a magia de Kaluoka’hina. Classificação indicativa livre.
11h – Origens da Vida (Duração: 23 minutos): A humanidade sempre se interessou em saber se existe vida fora do planeta Terra tal como a conhecemos. Formas de vida exóticas são raras, mas quando encontradas despertam a curiosidade dos cientistas. Em “Origens da Vida” são mostrados os fatos importantes na evolução da vida na cronologia do Universo, passando pelo seu início no Big Bang, criação do Sistema Solar, formação da Terra, seguida das condições para a existência de vida no nosso planeta. Com linguagem simples e fantásticas imagens, a sessão apresenta conhecimentos sobre o nascimento, vida e morte das estrelas e dos sistemas planetários. E traz um olhar sobre a extinção dos dinossauros. O filme é uma viagem fantástica através do tempo mostrando muitas descobertas feitas no passado recente e faz uma alerta para nossa consciência planetária. Faixa etária recomendada: a partir de 14 anos.
14h30 – Fronteiras (SESSÃO COMENTADA; Duração: 1 hora): Eis uma jornada para descobrir que os limites são indistintos. Giordano Bruno falou de mundos infinitos, Emmanuel Kant dos universos ilha, e a física moderna do multiverso. Temos apenas uma certeza: é nosso conhecimento que tem limites. Mas a alegria que podemos obter rompendo nossos limites em nossa busca por respostas é infinita. Faixa etária recomendada: de 4 a 11 anos.
16h – O Segredo do Foguete de Papelão (Duração: 24 minutos): Em uma viagem lúdica pelo espaço, três coisas são essenciais: um foguete de papelão, um prestativo livro de astronomia e uma dose de imaginação. A nave é construída a partir de uma caixa de papelão, contendo uma carga de balões cheios de ar fresco e de um livro de astronomia emprestado da biblioteca. A jornada passa pelo Sol e pelos planetas rochosos e gigantes gasosos com seus belos anéis. A viagem não é livre de riscos, mas o livro de astronomia ajuda em todas as situações de perigo. Faixa etária recomendada: de 4 a 11 anos.
17h30 – Reino de Luz (SESSÃO COMENTADA; Duração: 24 minutos): O estudo da astronomia começou há mais de 30 mil anos. Até hoje, diversas respostas foram encontradas com a mesma frequência em que mais perguntas surgem em consequência dos próprios questionamentos. Em “Reino de Luz”, somos convidados a fazer uma reflexão sobre nosso lugar no universo, sobre a exploração do espaço e sobre as conquistas e avanços que a humanidade foi capaz de realizar. Faixa etária recomendada: a partir de 14 anos.
19h – Arqueoastronomia Maia (SESSÃO COMENTADA; Duração: 1 hora): um novo show de planetário open-source que explora seis locais arqueológicos maias diferentes e a sua ligação ao Universo. O espetáculo de 20 minutos primeiro espetáculo fulldome completamente animado produzido no México misturando ciência e mitologia e levando o espectador numa viagem poética para perceber como é que os Maias viam e compreendiam o Universo através da sua história. Classificação indicativa livre.

ATUALIZAÇÃO (DICAS DE LEITORES!)

21. Assistir a uma peça teatral na livraria Cultura no Iguatemi ou na praça central do Terraço Shopping, aos domingos (dica da leitora Patrícia Yoshi). *DICA NOSSA: Neste caso, os R$20 serão usados para pagar as garagens dos shoppings. 

22. Andar no calçadão do Pontão (dica da leitora Patrícia Yoshi).

23. Fazer um piquenique no jardim botânico. Além do parquinho maravilhoso que tem por lá ainda se pode visitar o jardim japonês e o orquidário! (dica da leitora Carmem Pfeiffer).

24. Andar de pedalinho, passar uma tarde gostosa no Jardim Botânico, visitar a Catedral (e fazer aquele teste acústico), e arrumar um pedaço de papelão pra escorregar no gramado da Esplanada! (dica da leitora Ana Cristina Cruz).

 

10 Comentários

  1. O que fazer em Brasília com menos de R$20 | Baby Blogs Brasil

    13 de janeiro de 2019 at 23:27

    […] A Água Mineral funciona todos os dias, das 8h às 16h, e conta com duas piscinas de água natural, corrente, limpa e gelada! Às segundas e terças-feiras, a piscina Areal fecha para limpeza; já a piscina Pedreira, não funciona às quintas. Desde 1o de novembro de 2018, a entrada para … Ver artigo completo no Blog […]

  2. Sheila

    14 de janeiro de 2019 at 07:58

    Você sabe à que horas começa a troca de bandeiras?
    Obrigada por todas as dicas! 😉

  3. Patrícia

    14 de janeiro de 2019 at 08:59

    Assistir uma peça teatral na livraria Cultura no Iguatemi e na praça central do terraço shopping aos domingos.
    Ir aos parquinhos das entrequadras.
    Andar no calçadão do Pontão.

    1. Mari Oliveira

      14 de janeiro de 2019 at 11:55

      Obrigada! Dicas inseridas na lista!

  4. Ana Lima Rios

    14 de janeiro de 2019 at 12:38

    Parque da Cidade. Na região da lagoa dá pra fazer piquenique com as crianças. Tem patos e muitos , muitos peixes que a gente consegue ver por cima da ponte sobre o lago. Dá pra andar de patins, skate, bicicleta etc…

    1. Mari Oliveira

      16 de janeiro de 2019 at 12:10

      Obrigada! Falamos do Parque da Cidade na dica 2!

  5. Ana Cristina

    14 de janeiro de 2019 at 12:57

    Eu amoooooooo esses programinhas!! E não é pq são baratos, não! É pq realmente são muito legais, e as crianças têm a oportunidade de conhecer a cidade. Tenho vontade mas nunca levei ao memorial JK pq acho que é um lugar que exige silêncio… e os meus dois…. armaria!! Kkkkkkk Eu incluiria aí nessa listinha: andar de pedalinho, passar uma tarde gostosa no Jardim Botânico, visitar a Catedral (e fazer aquele teste acústico rs), e arrumar um pedaço de papelão pra escorregar no gramado da Esplanada!! Diversão pura!!

    1. Mari Oliveira

      16 de janeiro de 2019 at 12:54

      Que teste acústico? Me explica!

  6. Carmen

    14 de janeiro de 2019 at 15:36

    Eu tenho uma dica que faltou na listagem acima: fazer um piquenique no jardim botânico. Além do parquinho maravilhoso que tem por lá ainda se pode visitar o jardim japonês e o orquidário!

    1. Mari Oliveira

      16 de janeiro de 2019 at 12:54

      Obrigada! Vou atualizar o post!

Comente!