Parque da Mônica, em SP: minha experiência

Foto: Divulgação

Parque da Mônica, em SP: minha experiência

Eu e minha família já fomos ao Parque da Mônica duas vezes: da primeira, Júlia tinha de 4 para 5 anos, e passava por uma fase na qual tinha medo de personagens mascarados e brinquedos “radicais”. Por isso, nossa curtição foi um pouco mais limitada, já que deixamos muitos brinquedos de fora e não tiramos a minha sonhada foto com a Mônica, rs!

Desta vez, de 6 para 7 anos, Júlia curtiu bem mais, chegando perto dos personagens e indo em todos os brinquedos do local.

Há alguns anos, o Parque da Mônica funcionava no Shopping Eldorado, em São Paulo. Daí fechou, ficou sem funcionar por 5 anos, e reabriu em 2015 no SP Market, em Jurubatuba, zona sul da cidade. Nesse novo local, o parque continua sendo um local inteiramente coberto, o que é bom pois não impede a visita mesmo em dia chuvosos (no dia em que fomos, caiu um mega toró em SP, daqueles de alagar as ruas… E nós lá dentro só ouvimos os trovões, bem seguros e abrigados). Com mais de 20 atrações distribuídas em 15 mil m², o Parque é garantia de diversão para a criançada!

Como chegar:

Você pode pegar táxi, Uber ou metrô. O Shopping SP Market fica a 5 minutos da Ponte Transamérica e ao lado da Estação Jurubatuba de trem. Para chegar de metrô, você deve fazer baldeação na estação Barra Funda ou Pinheiros. Ao embarcar na CPTM (Linha 9 Esmeralda – Osasco/Grajaú), você deve pegar o trem sentido Grajaú. Desça na estação Jurubatuba de trem, o Shopping SP Market fica bem ao lado do desembarque dessa estação.

Atrações:

Logo na entrada, à direita, tem uma super loja com produtos licenciados. A loja é gigante e cheia de coisas legais, mas deixe para ir lá por último. Deixe para depois também a foto com a estátua do Maurício de Souza, logo no começo parque, fica cheio de gente por lá. Minha dica é: chegue logo na hora que abre o parque (11h), e vá direto para a fila do splash do Horácio. Esse é o brinquedo mais concorrido, e dependendo da época ano, a fila pode chegar a ser de 45min a 1h de espera. Crianças abaixo de 1,30m devem ir acompanhadas. Acima dessa altura, podem ir sem um adulto.

O Horacic Park é um circuito com barquinhos que passam por um cenário da pré-história, onde vive o personagem Horácio. Ao final, ele desce por um escorregador com água e entra forte na água (não chega a mergulhar, mas a entrada é forte o suficiente para molhar bem quem estiver à frente do barquinho – no caso, era eu, hahaha!). Outra dica para este brinquedo: levar uma camiseta extra para o caso da criança querer ir na frente. Ela vai se molhar e você depois pode trocá-la para curtir o resto do dia. Ah! Não esqueça de sair do brinquedo e já passar no quiosque que tem na saída para pegar sua foto. As fotos ficam disponíveis por apenas 15 minutos. Não sabíamos disso e não resgatamos a nossa…

Depois do Horacic Park, vimos o Cascão e o Cebolinha e corremos para a fila para tirar fotos. A Mônica e a Magali também aparecem para fotos, mas dentro da casinha da Mônica.

Um outro brinquedo que tem a fila muito grande é a Montanha Russa do Astronauta, se possível saiam do Horacic Park e já corram para a fila desse.

 

Depois desses dois brinquedos mais concorridos, conseguimos ir em quase todos, e recomendo a Roda Gigante (que nem é tão gigante, mas tem fila grande…), o Ce-Bolinhas, o bate-bate, as casinhas que simulam os cômodos e as casas dos personagens (Mônica, Magali, Cebolinha e Cascão), o Carrossel (divertido e dá lindas fotos!), o Brinquedão do Chico Bento, o novo “Missão Fundo do Mar” (onde as crianças colorem um personagem do oceano, e ele é escaneado e aparece nadando no telão. Além disso, as crianças tem que remover virtualmente o lixo do oceano, bem bacana). Júlia adora desenhar, então ela curte muito ficar no Ateliê da Marina, que é para onde vamos pós-almoço, para descansarmos um pouco.

Sobre refeições: o parque tem um McDonalds. Mas tem também uma frutaria (com melancia no palito!) e um food truck de comida natural. Além disso, vende também sorvetes, pipoca e balas. Nós optamos por almoçar fora do Parque, o que é permitido desde que você receba um carimbo no braço, para poder retornar sem pagar de novo.

O Parque tem uma atração semelhante ao Bibbidi Bobbidi Boutique, da Disney, onde as meninas podem se arrumar como princesas e serem coroadas pela Mônica, mas a Júlia não quis fazer.

Abaixo coloquei o mapinha que o site Vem pro Parque disponibilizou no post dela.

A loja da Mônica vale a visita ao fim do dia, lá tem muita coisa bacana, acessórios, brinquedos, sapatos, produtos de higiene, souvenirs, livros e gibis e nada absurdamente caro. Mesma dica eu deixo para fotos na estátua do Maurício de Souza: melhor tirar mais perto do almoço, quando as pessoas estão ou fora do Parque, ou mais dispersas almoçando.

O Parque da Mônica vale MUITO a visita! Para as crianças, os brinquedos garantem a diversão, e os adultos vão poder ir nos brinquedos junto e curtir muito relembrando a infância. Eu sempre quis tirar uma foto com a Mônica (hahaha), e no dia que fui estava vestindo uma camiseta que dizia “Eu cresci lendo a Turma da Mônica” (do quiosque Piticas). A atriz que faz a Mônica quando me viu me deu um abraço tão apertado, que sério, eu me senti abraçando a própria Mônica! Ponto alto do Parque para mim, hehe!

O Parque é limpo, os funcionários simpáticos e atenciosos, e os brinquedos estão em ótimo estado. Quem tem filhos entre 3 e 7 anos DEVE levar! A partir de 0,90cm a criança já pode ir em todos os brinquedos. Inclua em sua agenda caso esteja planejando uma viagem com crianças para São Paulo!

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!