Gravidez após os 40: o que você precisa saber

Gravidez após os 40: o que você precisa saber

[Post em parceria com https://www.gestacaobebe.com.br/]

A gravidez é um sonho para muitas mulheres. Com a evolução do pensamento e da sociedade, algumas configurações familiares começaram a mudar, e um desses reflexos acontece na idade programada para a gestação. Por conta também das tecnologias e métodos anticoncepcionais, o controle de gestações indesejadas se tornou mais eficiente, contribuindo também para o adiamento da chegada do primeiro filho de um casal.

Tendo essa possibilidade, muitas mulheres optam por engravidar em uma idade pouco mais avançada, em torno dos 40 anos, alicerçadas em uma maior estabilidade emocional e financeira, pensando, é claro, em como isso pode refletir positivamente na criação de seu filho e bem-estar de sua família. Entretanto, não são poucos os casos de complicações envolvendo as gestantes com mais de 40 anos, e todo o cuidado é pouco para garantir a saúde da mamãe e do bebê durante os 9 meses tão desafiadores até a chegada do bebêzinho ou bebêzinha.

A gravidez após os 40 anos é possível?

Sim! Contudo, as chances de sucesso são maiores em casos onde há tratamentos para a gravidez, e raramente as gestações concebidas de maneira natural, infelizmente, resultam no nascimento da criança. Essa dificuldade ocorre por razões fisiológicas, principalmente relacionadas à produção dos óvulos, e às probabilidades de falhas genéticas nestes óvulos por conta da idade um pouco mais avançada.

Riscos associados a essa gravidez

As falhas cromossômicas são a maior ameaça para as gestações após os 40 anos. O resultado dessas falhas cromossômicas é na maioria dos casos o aborto e a evolução de maneira indesejada da gestação.

Os riscos podem ser monitorados, para isso já existem exames específicos para o acompanhamento do embrião, e de suas configurações cromossômicas. Entretanto, quando a gravidez é natural esse acompanhamento é muito mais complicado. Nos casos de Fertilização In Vitro, o embrião passa por essas análises antes de ser transferido ao útero da genitora, provendo mais chances de uma gravidez saudável. Na maioria dos casos, a fertilização ocorre a partir de óvulos mais jovens congelados pela genitora, ou pelo uso de óvulos doados. A utilização de óvulos com a idade a partir dos 35 anos é mais arriscada, e pode não resultar em sucesso.

Benefícios de uma gravidez aos 40 anos

Embora os riscos devam ser considerados durante o processo de gestação, uma gravidez mais tardia também reserva pontos positivos. Tais pontos dizem respeito ao planejamento familiar, e aos fatores econômicos que envolvem uma gravidez. Muitas vezes tendo uma estabilidade financeira muito mais evidente, essas mulheres aos 40 anos têm condição de fazerem um acompanhamento muito mais eficiente de sua gestação.

A segurança financeira também garante uma vida mais tranquila para o bebê, e permite aos pais aproveitar muito mais a infância da criança, uma vez que a carreira profissional já pode estar consolidada, e grande parte dos desejos pessoais já foi alcançada. Muitos casais optam por essa gravidez mais tardia, buscando aproveitarem mais a relação, e se desenvolverem profissionalmente, é uma decisão que cabe apenas aos envolvidos, mas que pode ser melhor tomada utilizando informações relevantes.

Autoria de Mari Oliveira

Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line.
Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line.
No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”.
Eles estavam certos!