Plano de saúde para bebê

Plano de saúde para bebê

 

Custos com a saúde do bebê: vale a pena ter plano de saúde?

Durante a gestação, muitas preocupações norteiam a família do bebê: a compra das roupinhas, seleção dos itens do enxoval e a escolha do nome. No entanto, a saúde e os futuros cuidados médicos com o recém-nascido (como vacinas, consultas pediátricas e exames preventivos) também são essenciais para o seu bem estar no futuro. Mas quanto vai custar isso?

Dentre os principais fatores responsáveis pelo aumento no orçamento familiar, os gastos com a saúde do recém-nascido podem ser bem altos. Por não terem uma imunidade bem desenvolvida e ainda estarem se adaptando ao mundo exterior, a quantidade de visitas ao pediatra é maior no primeiro ano de vida do bebê, e muitos exames podem ser necessários. Segundo a Academia Americana de Pediatriaas crianças de até 1 ano de vida que não recebem cuidados médicos frequentes preventivos têm até 3x mais chances de passarem por uma hospitalização no futuro.

Por isso, nós nos perguntamos: vale a pena arcar com os custos com a saúde de um bebê de maneira privada (você pagando todas as consultas e vacinas) ou contratar um plano de saúde? Nós fizemos a contas e te apresentamos nossa análise abaixo. Confira!

Principais custos com a saúde do bebê recém-nascido

1) Consultas pediátricas

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatriasão necessárias no mínimo 11 consultas com o pediatra após o nascimento da criança até que ela complete um ano de idade. Elas são essenciais não apenas para dar orientações aos pais, como também para acompanhar o ganho de peso do bebê e fazer exames como o teste do pezinho e da audição. Assim, é possível se prevenir contra gripes e outros problemas de saúde que podem ser desenvolvidos no futuro.

Em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, o custo médio de uma consulta com o pediatra é entre R$ 120 e R$ 300. Ou seja, o gasto total das 11 visitas anuais varia de R$ 1.320 a R$ 3.300 durante o primeiro ano de vida da criança.

2) Vacinas

Além disso, são recomendadas cerca de 14 vacinas para essa fase de vida (confira a lista completa aqui), entre elas a tríplice viral e a meningocócica. Contudo, nem todas são ofertadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O preço de cada uma delas varia, nas grandes capitais, entre 100 e 150 reais.

Confira as principais vacinas não ofertadas pelo SUS:

-Meningocócica grupo A, C, W, Y (a partir dos dois meses)
-Anti Pneumoco 13 valente (a partir dos dois meses)
-Pentavalente contra o rotavírus (a partir de seis semanas)
-Meningocócica grupo B (a partir dos dois meses)

Para essas quatro vacinas, o custo total seria entre R$ 400 e R$ 600 (sem considerar o custo de reforços, caso necessários).

3) Exames

Para monitorar a saúde e o desenvolvimento do bebê, é necessária a realização de alguns exames. Abaixo, listamos os exames recomendados pela SBP e também o custo médio de cada um deles nas grandes capitais. Confira:

-Teste do pezinho – entre R$ 150 e R$ 200.
-Teste da tipagem sanguínea – entre R$ 20 e R$ 40.
-Teste da orelinha – entre R$ 65 e R$ 90.
-Teste do olhinho – feito durante uma consulta com o pediatra. Os valores cobrados dependem do profissional.

Ou seja, no total, o valor gasto com exames é entre R$ 235 e R$ 330.

4) Emergências

No caso de procedimentos de emergência, os pais estão sujeitos a pagar taxas altíssimas em hospitais particulares para ter o atendimento e os tratamentos necessários. No caso da cobertura do plano de saúde, a grande maioria desses custos serão arcados pela operadora contratada. Isso representará uma segurança financeira a mais para a família, especialmente em uma fase na qual os pais já tem um investimento maior de recursos devido a chegada do novo filho.

Quanto custa um plano de saúde para o bebê?

O plano de saúde para um bebê custa entre R$ 120 e R$ 140, a depender da modalidade e da operadora escolhidos pelos pais. Neste valor estão inclusas as imunizações, consultas ao pediatra e também os exames preventivos necessários. A inclusão de um bebê no plano de saúde dos pais é um processo bem simples e pode ser feito inclusive antes do parto (saiba mais aqui).

Para saber quanto custa um plano de saúde para o seu bebê na sua região, confira as melhores opções disponíveis com a ferramenta gratuita da Rhases, uma start-up de Brasília que criou um comparador que irá te ajudar a decidir qual é o melhor plano para você, sua família ou sua empresa. Lá você encontra todas as informações sobre os planos com o melhor custo benefício de acordo com o seu perfil.

Fazendo as contas…

Após o que verificamos acima, é possível fazer um cálculo de quanto custa cuidar da saúde de um bebê durante o primeiro ano de vida com ou sem um plano de saúde.

COM PLANO DE SAÚDE

Custo mensal: planos entre R$ 120 e R$ 140 por mês.

Total anual: de R$ 1.440 a R$ 1.680

SEM PLANO DE SAÚDE

Consultas: entre R$ 1.320 a R$ 3.300

Vacinas: entre R$ 400 a R$ 600

Exames: entre R$ 235 a R$ 330.

Total anual: de R$ 1.995 a R$ 4.320

CONCLUSÃO

Ao colocar os custos na ponta do lápis, é perceptível que ter um plano de saúde para o seu bebê é a opção mais econômica para cuidar da saúde dele com um atendimento de qualidade. Além disso, não incluímos nos cálculos os gastos com emergências, pré-natal e parto, que também são procedimentos que podem ser cobertos pelos planos de saúde.

Para realizar a contratação de um plano de saúde para o bebê, muitas vezes é necessário incluir também a mãe para que a operadora aceite o contrato. Para saber mais sobre isso, leia o nosso post especial sobre o assunto clicando  aqui.

Nossa recomendação é que você avalie as suas despesas e realmente pesquise para saber exatamente quanto vai gastar na sua cidade para cuidar do seu recém-nascido. Se você quiser saber mais sobre os planos de saúde, o site da Rhases oferece uma ferramenta gratuita que compara as opções disponíveis e te indica aquela que tem o melhor custo-benefício.

Ficou com alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários ou entre em contato com os especialistas da Rhases pela fanpage no Facebook 🙂

REFERÊNCIAS DE PESQUISA:

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2009/08/26/interna_cidadesdf,137782/sem-convenios-pediatras-vao-cobrar-r-90-por-consulta.shtml

http://revistadonna.clicrbs.com.br/noticia/quanto-custa-sustentar-um-bebe-nos-primeiros-anos-de-vida-faca-a-conta/

http://www.paisefilhos.com.br/recem-nascido/de-olho-no-teste/

http://laboratoriogaspar.com.br/precos-de-exames/

http://revistacrescer.globo.com/Por-Uma-Infancia-Mais-Saudavel/noticia/2014/07/exames-de-sangue-e-de-fezes-quando-fazer.html

http://revistacrescer.globo.com/Bebes/Saude/noticia/2013/06/criancas-que-nao-vao-ao-pediatra-com-frequencia-tem-duas-vezes-mais-chances-de-serem-hospitalizadas.html

 

Autoria de Mari Oliveira

Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line.
Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line.
No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”.
Eles estavam certos!