Que fazer quando a criança desconfia do Papai Noel

Que fazer quando a criança desconfia do Papai Noel

Este fim de semana eu li uma ideia LINDA sobre o que fazer quando a criança desconfia do Papai Noel: transformá-la no próprio Papai Noel!

Charity Hutchinson, uma mãe americana, contou em sua conta no Facebook que leu uma ideia linda e a aplicou com seus filhos quando percebeu que eles já estavam desconfiando da existência do Papai Noel. Com o primeiro filho, ela o convidou para tomar um lanche e teve uma conversa com ele: “agora que você já é um menino grande, e não só em altura, mas também de coração (e citou alguns feitos do menino para provar que ele tinha um bom coração) chegou a hora de você se transformar em um Papai Noel“. Ela continuou dizendo que talvez os amiguinhos tivessem dito que o Papai Noel não existisse, mas o grande segredo é que ele existe sim, mas não na figura que todos conhecemos. Ele existe porque todos nós podemos ser Papai Noel! E pediu que o garoto escolhesse uma pessoa, observasse por uns dias, e descobrisse de que presente ela precisava. Quando descobrisse, teria de dar esse presente como Papai Noel, mas nunca ninguém deveria descobrir que tinha sido ele.

Desta forma, o Papai Noel não é uma mentira descoberta, mas uma série de boas ações e espírito natalino!

Daí o menino escolheu uma vizinha rabugenta que sempre ia pegar o jornal na porta de casa descalça. Ele comprou umas pantufas para ela, fez um pacote bem bonito e deixou um bilhete dizendo que era um presente do Papai Noel. Colocou na porta da casa da vizinha sem avisar (a mãe enfatiza que teve que lembrá-lo que NINGUÉM poderia nunca saber o que ele fez, senão ele não poderia se transformar em Papai Noel). No dia seguinte, a vizinha apareceu calçada com as pantufas para pegar o jornal. E o menino nunca mais deixou de ser Papai Noel: ao longo dos anos, ele escolheu um bom número de alvos, sempre chegando com um presente único e exclusivo para essas pessoas. Teve um ano em que ele deu sua bicicleta usada, devidamente limpa e lustrada, com o banco substituído, embrulhada em laços, a uma criança pobre. A mãe conta que não sabia quem tinha ficado mais feliz: se a menina com o presente ou seu filho, que fez a boa ação!

Quando chegou a hora do segundo filho descobrir sobre o Papai Noel, o irmão mais velho ajudou com o discurso de “convencimento”. Hoje ambos são “Papai Noéis” excelentes, e nunca se sentiram enganados com uma mentira de alguém que não existe, porque entenderam a magia do segredo de se tornarem, eles mesmos, “Papais Nóeis”!

Este é o verdadeiro espírito do Natal! Este Papai Noel existe! Devemos #educarcomcarinho, ensinando as crianças a serem generosas, caridosas, a dar amor!

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!