Melhores textos sobre maternidade - janeiro de 2016

Melhores textos sobre maternidade

Todo mês, separamos aqui os melhores textos sobre maternidade que encontramos em nossas andanças pela rede. No mês de janeiro de 2016, os textos que mais chamaram a nossa atenção foram estes:

Por favor, ajude-me a quebrar esse ciclo de violência, por Rita Lisauskas no jornal Estadão. “Então, se você é amig@ do pai do Rakim, da esposa do pai do Rakim, dos patrões socialmente conscientes do pai do Rakim, da mãe do pai do Rakim, dos irmãos e cunhadas do pai do Rakim. Se você é da igreja do pai do Rakim, da academia do pai do Rakim, do prédio do pai do Rakim. Se você é cliente do pai do Rakim, se você vai passar hoje no Shopping Iguatemi ou no escritório da marca moderna que ele trabalha em Pinheiros (…) ajude a quebrar esse ciclo de violência insuportável e insustentável e enlouquecedor.”

Se seu filho te tira do sério, isso pode ser sério!, por Luzinete R. C. Carvalho (Psicanalista). “Na verdade crianças não “tiram os adultos do sério”. Adultos já estão “fora do sério”. Adultos vivem “fora do sério” por questões pessoais! Por suas próprias frustrações, preocupações, medos, mágoas, receios, pressa, pressões externas e internas. Os adultos estão constantemente fora de si, desarmonizados, encolerizados, contidos, como bombas prestes a explodir…”

Minha filha não é só minha, por Camila Perlingeiro, do site Mundo Ovo. “Sempre detestei a expressão ‘criar filhos para o mundo’. Parecia coisa de mãe negligente, na minha cabeça. Mas finalmente consegui entender que estamos criando nossos filhos para que pensem, ajam e vivam de maneira independente da gente. Podemos guiá-los e sermos atentas, mas nem sempre teremos acesso às suas vivências e sentimentos. Nem sempre seremos as primeiras a saber das coisas que parecem tão essenciais como foi a sensação de ir na primeira roda-gigante, a primeira vez que ela ouviu uma música no rádio e esta virou a predileta, o que ela sentiu quando viu o novo desenho da Pixar, o que achou do por do sol no Arpoador, quando percebeu que não tinha mais medo de gatos…”

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!