Alimentação infantil saudável

Alimentação infantil saudável

Alimentação infantil saudável:

10 super dicas para mães de bebês até 2 anos

A Dra. Lara Garcia – nutricionista em Brasília, a meu pedido, compilou dez super dicas para quem se interessa por “alimentação infantil saudável”.

Aproveitem ao máximo e compartilhem com as amigas mães, já que essas dicas preciosas podem ser úteis para muitas famílias.

Alimentação infantil saudável em 10 passos:

1- O cuidado com a higienização dos alimentos fortalece a imunidade da criança. Use cloro para desinfetar TODOS os vegetais e frutas que serão oferecidos;

2- Quanto mais espessa for a refeição, maior sua densidade calórica. Evite oferecer papas e purês semi-liquidos, sopas pouco consistentes e sucos em excesso. Como a criança tem capacidade gástrica pequena é necessário garantir o aporte calórico com preparações de alta densidade calórica;

3- Ofereça uma porção de fruta ou um pequeno volume de suco natural após as refeições principais almoço e jantar para facilitar a absorção do ferro destas refeições;

4- Para aumentar a oferta de proteínas e ferro inclua no almoço e no jantar uma leguminosa como soja, grão de bico, lentilha, feijão ou ervilha seca;

5- Ofereça no mínimo 2 frutas diferentes ao dia priorizando as frutas da estação para garantir um volume máximo de nutrientes;

6- O uso diário dos cereais amaranto e quinoa em flocos crús ou grãos cozidos favorece a resposta imunológica das crianças por disponibilizar um aminoácido imunomodulador chamado lisina. Use diariamente a partir de 6 meses;

7- Devido a fragilidade da mucosa gástrica da criança deve ser evitado o uso frequente de alimentos enlatados, embutidos (salsicha, lingüiça, presuntos), ricos em corantes e conservantes artificiais (balas, sucos artificiais, gelatina, iogurte colorido artificialmente);

8- A partir da introdução de alimentos, a absorção do ferro do leite materno reduz significativamente, por esse motivo, a introdução de vísceras, mesmo que seja em pequena quantidade é muito importante (fígado, coração de galinha, moela 1x/semana);

9- São desaconselháveis práticas de gratificação (prêmios) ou coercitivas (castigos) para conseguir com que a criança coma o que os pais acreditam que seja o necessário para ela. Expectativas exageradas sobre a quantidade de alimentos que os filhos necessitam, pode induzir a oferta de um volume superior a capacidade gástrica da criança, predispondo o risco do sobrepeso;

10- Episódios frequentes de infecção podem levar ao atraso no desenvolvimento e a certas deficiências nutricionais (zinco, ferro e vitamina A). Neste caso o uso de multivitamínicos específicos podem ser utilizados conforme a orientação do seu pediatra ou nutricionista.

Fontes naturais para uma alimentação infantil saudável:

Zinco: carnes em geral, leite e derivados, nozes, cereais matinais sem açúcar , fígado, espinafre, feijão;
Vitamina A: batata doce, cenoura, abóbora, manga, damasco, laranja, espinafre, couve, brócolis, fígado de galinha, ovos
Ferro: beterraba, couve, feijão, vísceras, aveia, gema de ovo.

IMPORTANTE: A recomendação diária de todos os outros alimentos/nutrientes aqui citados é individualizada e deve ser planejada por um nutricionista especializado APÓS uma avaliação nutricional.

SERVIÇO:

Dra. Lara Garcia – Nutricionista em Brasília
www.laragarcia.com.br

 

Autoria de Iza Garcia

“Já quis ser ‘médica de criança’, pipoqueira e costureira. Cursei inglês, italiano, castelhano, mas só falo português. Fiz Direito e Ciência Política, e curto ser blogueira. Desde 11/10/2010 sou “MÃE DA BRUNA” e realizada ao descobrir algo p/ ser a vida inteira”.