140905_ciclos_sp_0868

10934090_953018968043773_1571464058406301554_n

Após passar por São Paulo, onde recebeu 400 mil pessoas, e Belo Horizonte, a mostra Ciclo – criar com o que temos desembarca em Brasília, precisamente no Centro Cultural Banco do Brasil. A partir do próximo dia 05/02, fãs de arte poderão conhecer trabalhos de 15 artistas de diferentes gerações e nacionalidades que criaram em cima do seguinte conceito: produzir arte a partir de elementos do mundo, reinventando maneiras de ver e sentir as coisas.

“Procuramos trabalhos que buscam criar o novo sem criar mais coisas; que partem daquilo que já está, já existe”, explica o curador Marcello Dantas.

Os materiais explorados são os mais diversos: câmaras de pneus, palitos de dente, dejetos eletrônicos, armas, doces, veículos e até mesmo lixo. As técnicas também são propositalmente inusitadas, mescladas e ousadas. Dentre os destaques, está a impactante intervenção de autoria do alemão Michael Sailstorfer, feita a partir de câmaras de pneu entrelaçadas, e o enorme autorretrato do canadense Douglas Coupland intitulado Cabeça de chiclete, sobre o qual os visitantes serão orientados a colar chicletes mascados.

A mostra, prevista para encerrar em 20 de abril, contará ainda com uma aguardada performance. No dia 7 de fevereiro, às 11h, o chinês Song Dong, comandará um ritual no qual o público será convidado literalmente a devorar a cidade de Brasília, reconstruída na forma de uma gigantesca maquete feita com 600 quilos de doces de biscoitos. O projeto Eating the city foi resumido da seguinte forma pelo criador: Biscoitos são simples, como materiais de construção, mas são coisas nefastas, como estas grandes cidades construídas”.

O espanhol Daniel Canogar; a portuguesa Joana Vasconcelos, já conhecida do público brasileiro; o mexicano Pedro Reyes; a artista americana Tara Donovan; a escultora e fotógrafa americana, Petah Coyne;  e o inglês Ryan Gander completam a galeria da Ciclo. Daniel Senise é o único nome brasileiro da mostra.

[Fonte]

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!