roteiro-baby-sorvete

Quando a ilustradora Yuko Shimizu foi encarregada pela empresa japonesa Sanrio de criar uma gatinha – versão ocidentalizada do Maneki Neko, conhecido como gato da boa sorte, feito em cerâmica com uma pata levantada -, não imaginou que sua Hello Kitty, depois de correr o mundo estampando uma linha enorme de objetos infantis, iria virar um… sorvete.

Criada em 1974 e patenteada dois anos depois, a marca foi inspirada no livro de Lewis Carroll, chamado Alice através do espelho, que traz um gatinho de nome Kitty com o qual a personagem brinca no início da história.

Com quase 40 anos de uso, a Sanrio licenciou a marca para a Mec 3, empresa italiana de ingredientes e base para gelatos, que lançou o sorvete Hello Kitty na feira de Rimini (Itália), realizada em janeiro. No fim de junho, a novidade foi apresentada aos degustadores brasileiros na Fispal, em São Paulo, e agora chega a Brasília, quinta cidade a receber o sorvete da gatinha, depois de Campinas, Goiânia, Curitiba e Manaus.

Com iogurte natural, leite fresco tipo A, chocolate branco e cobertura de morango com calda, o sorvete é feito “sem conservantes e sem aditivos químicos”, garante Rafael Faria, proprietário da Cremosità, que lança o gelato em dois endereços: dia 24, no Boulevard Shopping, e dia 25, na loja da 104 Sul. Ao contrário de iguarias infantis, o sorvete não é demasiadamente doce, o que poderá agradar aos adultos também, prevê Faria.

Até o copinho tem a marca da gata. O sorvete será servido exclusivamente em porção de 100g por R$ 10. Outros sabores têm a mesma origem italiana – na base e na técnica quase artesanal -, mas a preferência do brasiliense difere dos europeus, constata o sorveteiro. Dos 20 sabores oferecidos durante a inauguração, em outubro do ano passado, ficaram 14, sendo os mais pedidos chocolate intenso, pistache, tapioca e gianduia.

Nos dias de lançamento, as crianças receberão jogos americanos, em papel, com o desenho da Hello Kitty para colorir. As lojas ainda oferecerão gizes de cera para incentivar a brincadeira entre os pequenos.

Fonte.

Autoria de Iza Garcia

“Já quis ser ‘médica de criança’, pipoqueira e costureira. Cursei inglês, italiano, castelhano, mas só falo português. Fiz Direito e Ciência Política, e curto ser blogueira. Desde 11/10/2010 sou “MÃE DA BRUNA” e realizada ao descobrir algo p/ ser a vida inteira”.