roteiro_baby-na_bolsa_mari_belem

Quando eu convidei a Mari Belém, do blog Mamãe de Primeira Viagem, para nos contar o que ela leva na sua bolsa de mãe, ela me fez uma contraproposta bem legal: comparar as bolsas ao longo do tempo, já que ela já tinha feito um post sobre a bolsa da filhinha dela, a Laura, quando ela tinha 3 meses AQUI.

A primeira coisa que mudou desde os 3 meses da Laura foi que a linda bolsinha branca agora é apenas a bolsinha de natação.  “Agora andamos com uma bela mochila. Grande, espaçosa e com várias divisórias práticas”, disse a Mari. 

A mochila atual é da Fisher-Price, e vem com uma etiquetinha do lado de fora com o desenho do que encontrar em cada bolso – “o que é ótimo para não revirar a bolsa toda na hora do desespero – e ótima para pais atrapalhados”, segundo a Mari. Ela é enorme, e tem parte térmica e parte externa para lenço umedecido, além de bolso para chupetas e trocador acolchoado dentro. Dentro da mochila vão:
– Lenço Umedecido Babies’R’Us Hand ‘N’ Face Cloth (para mãos e rosto);
– Fraldas descartáveis;
– Duas chupetas;
Sacos perfumados da Chicco (“se Laura fizer cocô e estivermos na casa de alguém ou lugar público, esse saquinho perfumado veda o cheiro da fralda e o cocô não deixa fedendo o lugar alheio, hahaha”). E a Mari é fiel a este produto, repare que ele está sempre na bolsa, desde a bolsa dos 3 meses da Laura!
– Rinosoro (“por causa da poluição, do tempo seco ou qualquer outra razão, sempre tenho Rinosoro para limpar o nariz da Laura”);
– Pente e borrifador de água para pentear o cabelo (também presentes desde a bolsa dos 3 meses!);
– Boogie Wipes (“são lenços salinos umedecidos para assoar o nariz da Laura, limpam sem ferir”);
– Lenço umedecido para trocar a fralda;
– Colônia Giovana Baby (“tem o cheiro da minha infância”);
– Saco para roupa suja;
– Um body de manga curta;
– Um body de manga comprida;
– Uma meia calça (“nesse inverno…”);
– Um par de meias;
– Uma calça;
– Um casaco;
– Uma sapatilha para brincar, da Simpli;
– Copo para água, da Momma (Lansinoh);
– Potinho da Munchkin para levar biscoitos, pipoca, mini cenoura, pepino ou polvilho, que tem um fecho que impede que caia quando virado;
– Potinho para frutas ou bisnaguinha, também da Munchkin;
– Pratinho;
– Porta-talheres com garfo e colherzinha;
– Babador de borracha Tommee Tippee;
– Suco de caixinha – “Sem conservantes, para o caso de não ter suco natural onde eu parar”;
– Ipad e/ou celular, “com toda Galinha Pintadinha possível e YouTube para Palavra Cantada”!

Dois itens dessa bolsa me chamaram bastante a atenção – o saquinho de lixo cheiroso da Chicco (não conhecia!) e o fato da Mari ser mais uma mãe que usa esses lencinhos salinos Boogie Wipes (eles são muito populares na blogosfera e Instagrams maternos!). Boas dicas!

A gente pensa que quando tem um bebê pequeno a bolsa é sempre muito cheia, né? Que talvez com um bebê maior a gente leve menos coisa, mas eu tenho pra mim que esse negócio de itens de bolsa de bebê só aumenta junto com a idade da criança, hehe… Eu tô sempre querendo bolsas mais leves pra Júlia, mas cada mãe que participa desta tag me dá um ideia nova, uma sugestão que eu ainda não tinha pensado.

Mari, obrigada por sua participação!! Foi um prazer ter você aqui!

P.S.: Você tá lendo esse sobrenome e achando que conhece a Mari de algum lugar, né? Sim, ela é filha da Fafá (de Belém), cantora! Acho linda essa história de mães e filhas super parecidas, e a Mari é um desses casos, bem “filha da mãe” mesmo, ela é super parecida com a Fafá de Belém! #acholindo e #meemociono! E Laura também se agarrou a esse DNA, vocês não acham? Três lindas!

Show de Fafa de Belem com a filha Mariana Belem e participacao da neta Laurinha-0591

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!