os-karas-pedro-bandeira

Foto DAQUI

Eu conheci Pedro Bandeira por conta de uma imposição da escola: tive que ler, como parte do programa de literatura do colégio onde eu estudava, o livro (excelente) “A Droga da Obediência”, e logo me apaixonei pelos Karas: Magrí, Miguel, Chumbinho, Calú e Crânio. Eles foram, durante um bom tempo, meus melhores amigos durante meu início de adolescência nerd (rs!): eu gostava (e ainda gosto) muito de ler e li toda a coleção de livros acima, e muitos outros mais de Pedro Bandeira, entre meus 11 e 14 anos.  Se Monteiro Lobato foi para mim o introdutor da literatura infantil, Pedro Bandeira era, naquele momento entre infância e adolescência (e o trocadilho aqui é intencional), o cara: só ele sabia escrever tão bem sobre o que eu sentia, pensava e achava que podia fazer sendo adolescente, e foi com ele que aprendi a ler com prazer os livros da escola – sempre que aparecia um livro obrigatório novo (mesmo aqueles clássicos da literatura que todo adolescente odeia) eu pensava: “Vai que eu me surpreenda como me surpreendi com o Pedro Bandeira?” E foi assim que passei a querer ler mais e mais e cada vez mais, livros de todo o tipo.

Amanhã, 2 de abril, é o Dia Internacional do Livro Infantil, e para celebrar a data, o portal EBC realizará um bate-papo virtual com o Pedro (ó a intimidade, rs!), a partir das 10h.

O bate-papo pela internet vai ser mediado pelo cantor, radialista e apresentador Zé Zuca. Além das crianças que participarão da videoconferência, ao vivo, todos os expectadores podem interagir enviando perguntas e comentários pelas redes sociais da EBC (Facebook, Google+ e Twitter) , identificando o conteúdo com a hashtag #DiaLivroInfantil. 

Eu por aqui vou dar o meu jeito, porque essa conversa será imperdível (gente, sério, olha a cara de super gente boa o Pedro tem? Ele deve ser um fofo master!!!). Participem também!

Autoria de Mari Oliveira
Sou mãe, esposa, filha e irmã off-line. Tradutora, fã dos Beatles e mãe de primeira viagem on-line. No dia 13 de maio de 2011, ouvi Maria Betânia cantar e o obstetra repetir: “Você verá que a emoção começa agora”. Eles estavam certos!