Chá Weleda da Mamãe e outras dicas para amamentação  Eu já contei pra vocês que tive muitas dificuldades para amamentar (snif!) e que a partir do 2º mês da minha filha Bruna, o leite passou a diminuir, acabando quando ela tinha 5 meses (snif, snif!)

Dos 2 ao 5 meses da Bruna, quando passei a complementar a amamentação com fórmulas, eu usei inúmeros truques para tentar (em vão!) aumentar o leite. Embora eu não procedesse com muito otimismo sobre a eficácia de parte do que eu fazia, eu fazia mesmo assim, numa esperança triste de evitar que o leite acabasse antes do prazo que eu havia estipulado para o desmame.

Dentre as maluquices que fiz, rolou medicamentos (que não acho prudente indicar aqui), cerveja preta, pamonha e outras delícias de milho, além de simpatias (risos), massagens e a utilização de bombas de leite elétricas e manuais.

Por ser solidária às mães que estão passando por isso, venho compartilhar alguma dicas que recebi, de uma amiga que eu adoro (Raquel!) que está utilizando e gostando do Chá Misto da Mamãe, da Weleda, e da Mari Oliveira, que conseguiu reverter a queda da produção de leite e amamenta até hoje (novembro de 2012).

O Chá é indicado para mães em fase de lactação, já que a fórmula sem aromas artificiais contém delicadas especiarias que estimulam a produção de leite materno: funcho, alcarávia, erva-doce e urtiga maior.

Orgânico, rico em vitaminas e sais minerais, o produto ainda promete ter propriedades digestivas para o bebê e para a mulher (auxiliando a volta para o antigo peso).

Vale lembrar que a Weleda utiliza apenas produtos de origem 100% natural, obtidos do cultivo de matérias primas por métodos orgânicos… e que a linha Calêndula para bebê (que também contém camomila) não possui corantes, conservantes ou fragrâncias artificiais.

No caso da Mari, a produção dela começou a cair quando nasceram os primeiros dentes da Júlia, por volta dos 4 meses. Como ainda estava de licença em casa, e com tempo para a livre demanda (que estimula muito a produção de leite), nessa fase ela só se tratou com acupuntura (com a Drª Érika Nery, que já indicada aqui no site).  Deu muito certo, e ela conseguiu manter a produção até a Júlia completar 7 meses, quando a Mari precisou voltar ao trabalho. Como a Júlia ainda não estava aceitando papinhas direito, a Mari precisou de um reforço GRANDE na produção, porque precisava deixar leite congelado em casa. Aí entraram as bolinhas de alfafa – a “fórmula da amamentação”, que a Mari comprava na farmácia Herba Mater, na 311 norte. Além disso, ela conta que pegou uma garrafa de 1,5L de Coca-Coca, lavou, e enchia de água todo dia, e se obrigava a beber aquela água toda, todo dia (muita água também estimula a produção de leite). Outras dicas que deram certo para a Mari, além da água e chás: suco de uva integral, broto de alfafa e derivados de milho.

A Mari amamenta a Júlia até hoje, aos 18 meses. Ela já não toma mais nada, porque a demanda da Júlia hoje em dia é bem pouca. Mas recomenda muito todas as dicas que usou acima!

Autoria de Iza Garcia
"Já quis ser 'médica de criança', pipoqueira e costureira. Cursei inglês, italiano, castelhano, mas só falo português. Fiz Direito e Ciência Política, e curto ser blogueira. Desde 11/10/2010 sou "MÃE DA BRUNA" e realizada ao descobrir algo p/ ser a vida inteira".