Adorei o convite para participar da “Coluna SuperMães” do Blog Mãe de Guri. O texto foi publicado AQUI e o transcrevo abaixo para que vocês percebam que todas nós, mamães, temos superpoderes!

Por algum tempo, eu dizia que o mais difícil em ser uma boa mãe era me sentir uma boa mãe.

Por algum tempo – e ainda bem que foi por pouco tempo! – eu cometi o erro básico, mas quase fatal, de me comparar demais às mães que eu julgava serem melhores que eu.

Tic tic tic! Que bobagem! Não façam isso! Em poucos dias com um filho nos braços, uma mãe de primeira viagem pode ser tão boa mãe e uma mãe tão sábia quanto uma àquela que tem dois ou mais filhos! Porque, na minha opinião, uma boa mãe é aquela que busca informações junto às pessoas corretas, troca experiências e ouve seu coração!

Hoje, ao ser convidada a falar sobre “supermães” pela querida Angi, quero, acima de tudo, prestar uma homenagem às muitas supermães que conheço e que me inspiram positivamente… e deixar um conselho (ao final do post)!

Mulheres são multifuncionais e quando viram mães, ganham superpoderes: super-audição (para ouvir o primeiro milésimo de segundo de chorinho do filho a qualquer distância ou para estranhar o silêncio quando o filho está aprontando!), super-disposição (para não dormir por semanas e dormir muito mal por anos), super-olfato (para saber quando é preciso trocar a fralda), super-reflexo e outros poderes ligados a previsão do tempo e telepatia, que permitem evitar que o filho se machuque brincando, sempre leve um casaco na bolsa e muito mais.

Considero, sinceramente, que toda mãe merece o título de supermãe, porque ao sobreviver ao parto, à amamentação, à cansativa fase em que a criança está aprendendo a andar, toda mãe esquece as dificuldades e o cansaço e só consegue se lembrar que depois do parto, viveu os melhores momentos de sua vida, que se resumem a segurar o(a) filho(a) pela primeira vez em seus braços!

Porque a supermãe esquece muito rápido do cansaço e das dificuldades que existem, que são muitas, mas que ficam pequenas perto da indescritível felicidade que é ter um filho!

Por tudo, acredito que todas as mães podem ser supermães! Para tanto, basta se sentirem supermães. Basta acreditarem em seus superpoderes e buscar aperfeiçoá-los.

Exemplos?! Sempre que o seu super-ouvido avisar que o bebê está chorando, verifique! Você vai se surpreender com o fato de ter adquirido a super-audição! Sempre que você achar que o cheirinho que paira no ar está meio azedo, mesmo que seja minutos depois de ter trocado a fralda, verifique a mesma! Não se surpreenda com o nº 2 e o seu super-olfato adquirido pós-parto! E sempre que “você achar que vai chover”, leve sim o casaquinho!

CONSELHO: Ah! A frase “Coração de mãe não se engana” não ficou famosa à toa! Ouçam seu próprio coração, sempre!

Autoria de Iza Garcia
"Já quis ser 'médica de criança', pipoqueira e costureira. Cursei inglês, italiano, castelhano, mas só falo português. Fiz Direito e Ciência Política, e curto ser blogueira. Desde 11/10/2010 sou "MÃE DA BRUNA" e realizada ao descobrir algo p/ ser a vida inteira".