Quero apresentar à vocês a Mariana Torres, pedagoga, formada pela Universidade de São Paulo e colaboradora do Roteiro Baby por uma temporada. A Mari tem experiência em educação, por ter trabalhado alguns anos em escolas públicas e particulares, com crianças e jovens. Mas seu encantamento surge com a educação essencial, que a inspira a escrever o Blog A Escola para a Vida.

EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO: A ESCOLA NÃO É A ÚNICA RESPONSÁVEL 

Muitos Pais, por conveniência, querem transferir para escola um papel que é seu. Se seus filhos estão dando trabalho em casa, não os respeitam, desorganizam a casa e não sabem se relacionar de forma saudável com os outros, a culpa é de quem? Da escola? Do Professor? Não! A responsabilidade é de quem os educa, não de quem os instrui. Se a culpa fosse somente da escola, a solução seria simples: procurar outra instituição.

Acontece que, a escola ideal, aquela que todos desejam, que desenvolva seres humanos de forma integral, ainda não existe (não que eu conheça). O que existem são escolas melhores ou piores neste aspecto e, por mais que as instituições de ensino se esforcem, nunca substituirão o papel da família.

Cada família tem seu universo particular, com suas especificidades, sua maneira de enxergar e agir perante a vida. E são essas particularidades que as diferenciam. Umas para o bem e outras, infelizmente, para o mal. A sociedade está mais complexa a cada dia, preparar alguém para viver e respeitar a pluralidade é uma tarefa que exige dedicação intensiva.

A educação escolar, mais voltada para a instrução, não consegue substituir a educação para a vida, que recebemos dentro de nossas casas. As escolas são espaços com muitas outras crianças e, trabalhar o íntimo de cada uma delas é muito difícil neste ambiente. Ela pode ser sim, uma auxiliar dos Pais neste processo. A diferença entre auxiliar e substituir é evidente.

As instituições de ensino estão baseadas na transmissão de informações e conhecimentos, divididos em disciplinas. Geralmente, essa transmissão é centrada na memorização, cujo objetivo final é buscar um resultado imediato (passar de ano) e um resultado futuro (passar no vestibular). Por mais que isso seja negado, a realidade que observamos é essa. Algumas escolas realizam essa tarefa em conjunto com o desenvolvimento da criatividade, da intuição, da solidariedade, enfim. Mas, preparar um cidadão que ajude a melhorar o mundo em que vivemos, exige um esforço conjunto entre escola e família, esta, tem papel de destaque.

A falta de tempo dos Pais é a justificativa para atribuir à escola toda a responsabilidade na educação das crianças. Instruir, na atualidade, já é um grande desafio, devido à quantidade de informações disponíveis e a rápida obsolescência do conhecimento. Infelizmente, em nosso país, as escolas não tem cumprido sequer esta função. Então, não deseje que ela satisfaça todas as necessidades de uma criança.

A instrução traz para dentro do ser informações e conhecimentos dos quais ele não dispunha. A educação, além de introjetar competências, habilidades e atitudes, extrai de dentro do ser algo a ser projetado. Quando você educa, você está ajudando alguém a tornar-se aquilo que se é capaz de ser, beneficiando todos que estão à sua volta.

Se você esforçar-se para que seu filho seja bem instruído, ele terá grandes chances de tornar-se um profissional de sucesso, mas se você esforça-se para que seu filho seja bem educado, tenha certeza de que ele será um ser humano de sucesso, em todas as áreas de sua vida.

Não responsabilize a escola por toda educação de suas crianças, o mundo agradece!

FONTE: Blog A Escola para a Vida, colaborador do Blog Roteiro Baby

Autoria de Iza Garcia

“Já quis ser ‘médica de criança’, pipoqueira e costureira. Cursei inglês, italiano, castelhano, mas só falo português. Fiz Direito e Ciência Política, e curto ser blogueira. Desde 11/10/2010 sou “MÃE DA BRUNA” e realizada ao descobrir algo p/ ser a vida inteira”.