Há tempos eu ensaio escrever um post com as dicas que tenho sobre o carrinho ideal. Ele, enfim, ficou pronto… e eu espero evitar que muitas mães comprem o carrinho errado e se arrependam.
Antes de mais nada, registro que o carrinho escolhido por mim foi o italiano Sì, da marca Peg Perego e que, sempre que eu posso, tento convencer alguém a seguir essa dica, já que eu fiquei COMPLETAMENTE satisfeita com a minha escolha e o considero um dos melhores carrinhos do mercado.
“O melhor carrinho” é muito relativo. O que é “melhor” pra mim, pode não ser para muita gente. É um conceito que depende de muitos fatores.
Para mim, “o melhor carrinho” tinha que (1) ser prático (leve e fácil de abrir/fechar) e (2) atender as minhas necessidades até quando eu não precisasse de carrinhos.
Para mim, o melhor carrinho tinha que servir para um bebê pequeno e uma criança grande, já que eu não aceitava, de maneira alguma, a possibilidade de comprar DOIS carrinhos para a minha filha.
Esses eram os meus critérios.
No entanto, há quem abra mão de ter um carrinho prático e faça questão de ter um carrinho bonito. Há quem tenha um orçamento ilimitado e existem, ainda, pessoas que compram carrinhos ideais para bebês, mesmo sabendo que eles não serão tão úteis quando o bebê crescer porque aceitam, numa boa, a possibilidade de comprar outro carrinho quando isso acontecer.
O que eu aprendi é que “o mercado conspira” para que as mães comprem DOIS carrinhos para cada filho (absurdo!). Isso porque a maioria dos carrinhos excelentes para bebês (ultra confortáveis) são mega trambolhentos, calorentos e apertados para uma criança andante. E os carrinhos magrinhos, práticos e super leves, bacanas para as crianças maiores, não servem para os bebês pequenos.
Então, infelizmente, é preciso estabelecer prioridades para encontrar o carrinho ideal para a sua família. Eu garanto que será impossível encontrar um carrinho prático, leve, barato, lindo e que sirva de 0 a 5 anos.
Então, para decidir sobre o carrinho ideal para a sua família, siga essas dicas e considere o seguinte:
– PREÇO: analise somente os carrinhos que cabem no seu orçamento. Existem muitos modelos no mercado e limitar a pesquisa por preço excluirá muitos carrinhos, facilitando a pesquisa.
– PRATICIDADE X BELEZA: eu abri mão da beleza e não comprei um carrinho feio. A beleza e o modismo só não eram prioridades para mim. Eu fazia questão absoluta de ter um carrinho leve, que fechasse/abrisse de facilmente. E, geralmente, os carrinhos da moda e mais bonitos, costumam ser, também, os mais trambolhentos e complicados.
– ASSISTA VÍDEOS NO YOUTUBE: existem vídeos de quase todos os carrinhos na internet. É bacana ver uma pessoa demonstrando como o mesmo funciona.
– CONHEÇA O PRODUTO PESSOALMENTE: vá até uma loja e teste o produto DE VERDADE. Simule abrir e fechar o carrinho com uma mão só (situação real para quem tem filhos!), simule abrir e fechar o carrinho bem rapidinho (situação real para quem tem filhos!) e para ter certeza que o peso do carrinho é suportável, levante o carrinho até a altura de um porta-malas (situação real para quem tem filhos!). Imagine aquele carrinho pesado que você acha que aguenta carregar somado ao peso do bebê, das sacolas etc.
– COMPARE PESO e TAMANHO: isso também é importante. Também foi um item relevante na minha escolha e eu fiquei MUITO satisfeita com o meu carrinho super leve e que passa em qualquer porta.
– CONVERSE COM OUTRAS MÃES: pergunte a outras mães sobre os carrinhos que elas estão usando. Quando alguém TROCAR de carrinho e, ao mesmo tempo disser que AMAVA o primeiro, desconfie! Se amasse, não teria comprado outro. Siga as dicas das pessoas que justificam suas escolhas de forma coerente.
O carrinho é, sem dúvida, um dos itens do enxoval que mais serão usados! É um acessório que pode trazer muito conforto ou irritação aos pais que fizeram escolhas erradas.
Nesse contexto, registro ainda a minha implicância profunda com carrinhos Quinny (e não com as mães que compram Quinny, ok?!?!) e similares.
Me justificando, explico que a minha observação sobre esse assunto me permite concluir, ao menos, que a  maioria das pessoas que optam por carrinhos “da moda e não práticos”, abrem mão da praticidade em prol da beleza e desse tal modismo.
Nada contra quem dá uma importância maior para essas coisas do que eu dou… mas gostaria que as mães leitoras do Roteiro Baby que estão à procura de um carrinho ideal assistissem a esse vídeo AQUI e analisassem, como eu fiz, se realmente querem um carrinho tão trambolhento (grande, mesmo quando está dobrado!), que só fecha quando a mãe se abaixa até o chão (fala sério!) e pesado…
IMPORTANTE: esse não é um post contra o Quinny. É um post contra “carrinhos trambolhentos” (que o Quinny Buzz, por exemplo, É!). É um post escrito para tentar ajudar mães a encontrarem “o melhor carrinho”! É um post de quem nunca cogitou colocar a mão na roda do carrinho (lugar mais sujo do planeta!) para tentar diminuir minimamente o trambolho que é o carrinho Quinny dobrado…
PEDIDO: gostaria que TODAS as mães que lessem esse post, comentassem sobre os SEUS carrinhos, citando a marca, o modelo e as características que mais gostam (ou que não gostam) neles. Isso pode ajudar muita gente!

Autoria de Dhemes Andersen